Amamentação


por Dra. Flavia Francellino - Nutricionista SP




Não é segredo para ninguém que a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas (UNICEF) têm como estratégias para garantir à saúde pública a defesa de que crianças menores de 2 anos devem ter inclusas em sua alimentação o leite materno. Este recurso sabiamente visa combater a mortalidade infatil e reduzir a prevalência da desnutrição calórica- proteica. Daí a importância de haver apoio, comoção e, sobretudo preparo por parte dos profissionais da saúde, a fim de não apenas disseminar esta prática, como também, não permitir que informações sem embassamento científico sejam tomadas como verídicas.
Mas, deixando a parte de cunho mais profissional, gostaria de esclarecer e adevir aos leitores o valor inestimável que o leite materno agrega.
Nutricionalmente, o leite materno é superior aos outros leites, por conter elementos essenciais, além de ser de fácil digestão.  Além de conter proteínas de função nutritiva, contém protéinas de função imonológica e que conferem proteção antiinfecciosas. Além disso, o leite materno é constituído de um carboidrato chamado lactose, que confere maior proteção ao raquitismo e promove o crescimento de lactobacilos que dificultam a proliferação de bactérias patogênicas.
Fornece também vitaminas e, faz- se respaldo que estas são dependentes exclusivamente da alimentação materna, estando sempre aem alerta para manter a alimentação mais saudável e equilibrada possível, ainda que não seja possível variar com regularidade, atenta- se para as escolhar certas, que tendem a ser mais saudáveis! Quanto aos minerais, o ferro é mais bem absorvido pelo leite materno, pois a oferta de vitamina C presente é considerável! E, claro, a quantidade de sódio presente no leite materno é equilibrada ainda mais quando se fala em leite de vaca: o leite de vaca tem mais sódio que provoca hiperosmolaridade, fazendo com que a criança sinta sede o que muitas vezes é interpretado pela mãe como sendo fome, acarretando em hiperalimentação e consequentemente, induzindo a obesidade!

0 comentários:

ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

ARQUIVO