Comer Noturno


por Dra. Eloísa Gabriela Penteado

SÍNDROME DA ALIMENTAÇÃO NOTURNA

Para muitas pessoas que tem a síndrome da alimentação noturna seguir uma dieta ou se alimentar bem durante o dia é muito simples e tranquilo, mas com a chegada da noite não conseguem controlar o seu desejo por comida.
Esta síndrome é caracterizada por uma grande ingestão de alimentos à noite, normalmente depois das 19 horas, podendo equivaler a 50% do total ingerido diariamente, neste caso a pessoa faz ao longo da noite pequenos lanches mesmo depois de ter iniciado o sono. Associado a este sintoma se apresenta perda de apetite pela manhã, insônia e sono irregular.
A síndrome tem duas principais consequências à insônia e o ganho de peso. Associado a insônia pode ocorrer cansaço, sonolência, dores de cabeça, irritabilidade, descontrole emocional, perda de atenção e concentração, prejuízo no rendimento profissional. Já associado ao ganho de peso pode ocorrer o surgimento de doenças como hipertensão e diabetes.
Para que a síndrome seja caracterizada e diagnosticada é necessário observar uma frequência destes acontecimentos por pelo menos 3 meses, diferenciando de casos esporádicos e surtos alimentares.
            Por se tratar de um problema ainda em estudo, sem critérios diagnósticos bem definidos, não há consenso sobre tratamento, são usados remédios, como indutores do sono ou para a ansiedade, baseando-se no relato de cada caso. A orientação nutricional é fundamental, ela se baseia em introduzir alimentos que gerem maior saciedade no jantar, mas essa terapia ainda apresenta pouco impacto sobre os sintomas.
            Caso você apresente os sintomas relatados o mais ideal é ter acompanhamento de uma equipe multidisciplinar que englobe neurologista, psiquiatra, nutricionista e psicólogo.



0 comentários:

ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

ARQUIVO