Intolerância Genética à Lactose



por Dra. Katyelle Nunes Garcia

A Intolerância à lactose também pode ser definida como a incapacidade ou capacidade diminuída de digerir o açúcar lactose, que se encontra no leite e em alguns de seus produtos derivados. A intolerância pode levar à desconforto abdominal e diarreia, que é mais evidente nas primeiras horas após o seu consumo.

Causas da Intolerância à Lactose

            A Intolerância Primária à Lactose (Genética): é atribuída à ausência relativa ou absoluta de lactase, desenvolvida durante diferentes fases da infância e em diferentes grupos raciais. Esta é a principal causa de intolerância e má-absorção da lactose.
A intolerância primária à lactose é também conhecida como hipolactasia adulta, não persistência de lactase e deficiência hereditária de lactase.
            Intolerância Secundária à Lactose: é causada por uma ausência ou diminuição de produção de lactase resultante de lesões no intestino delgado. Tais lesões podem ser causadas por: infecções, Doença Celíaca ou Crohn, úlceras, colites, diarreia prolongada,
quimioterapias, dentre outras. É geralmente temporária e pode surgir em qualquer idade sendo mais comum na infância.
            Intolerância Congênita à Lactose: é uma condição extremamente rara na qual a criança nasce sem a capacidade de produzir a enzima lactase.

Prevalência de Intolerância à Lactose (Brasil)
·         Estima-se que em cerca de 70% da população mundial a enzima lactase seja não persistente, isto é, a sua produção ocorre em pequena quantidade.
•         No restante da população a atividade da enzima não decai, existindo uma persistência da produção da enzima no organismo.

Perfil
Genético
Branco
Mulato
Negro
População Brasileira
(geral)
Intolerante
56,6%
56,9%
80%
62,8%
Tolerante
43,3%
43,1%
20,0%
37,2%

Usos do Teste Genético para a Intolerância à
Lactose (IL)

1.    Em pacientes sintomáticos com diagnóstico inconclusivo;
       2. Identificar um padrão intermediário de Tolerância à Lactose;
       3. Diagnóstico Diferencial: permite ao profissional de saúde identificar de maneira correta a intolerância à lactose primária. Possibilita um tratamento mais adequado em menos tempo porque consegue diagnosticar ou excluir a IL como sendo de causa genética. Desta maneira os casos de IL de causas não genéticas (alergia, Doença Celíaca, uso de medicamentos e outros) poderão ser adequadamente investigadas caso o teste seja negativo.

Fonte: Ganep Humana Ltda

Dra: Katyelle Nunes Garcia
Nutricionista CRN 9 -12624

0 comentários:

ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

ARQUIVO