Alimentação e Nutrição: Princípios básicos



Lucimara Scheidt: Acadêmica do VI Semestre de nutrição da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI/ FW
Juliana Gonçalves: Nutricionista

A educação alimentar tem como proposta prática e essencial, evitar a falta de variedade na seleção dos alimentos que constituirão a dieta básica, bem como a forma de prepará-los. O conceito da dieta necessariamente não está relacionado com a restrição, mas sim com a seleção dos alimentos que promove a saúde e o bem-estar.
Alimentação saudável é aquela que reúne condições seguras quanto ao aspecto químico, físico, biológico e nutricional. Isto significa que o alimento não poderá conter substancias químicas, nocivas ou toxicas, ou seja, não deve causar nenhum dano ao sistema digestivo ou ao processo alimentar, não poderá conter microrganismos capazes de ocasionar uma  Doença Transmitida por Alimentos - DTA. Deverá oferecer as substâncias necessárias nutricionalmente para o atendimento das necessidades fisiológicas e psico-sociais do individuo.
A alimentação saudável apresenta menor risco à saúde, é balanceada porque observa quantidades adequadas de alimentos, mantem peso e promove a saúde integral, prevenindo por longo prazo o acúmulo de gorduras e enfermidades crônico degenerativas.
As consequências negativas de uma alimentação inadequada estão muito bem documentadas na literatura cientifica, sendo as principais: obesidade, aumento da pressão arterial, colesterol elevado, diabetes mellitus, doenças cardiovasculares, certos tipos de câncer, subnutrição, carie dentária, deficiência de ferro e envelhecimento precoce.
As relações do homem com seus alimentos são estabelecidos através dos aspectos nutricionais, sociais, culturais e econômicos. A educação alimentar poderá vir a ser chave para as novas gerações adquirem hábitos de vida equilibrados.
Devemos levar em conta que uma parte da nossa população passa fome, pela falta ou impossibilidade de comprar alimentos básicos, mas por outro lado, se gasta muito dinheiro com alimentos sem nutrientes e com medicamentos para remediar o que uma alimentação equilibrada poderia prevenir.
Sendo assim a educação em saúde pode ser a mesma de todo o bom ensino, ou seja, tem por objetivo ajudar as pessoas a descobrirem os princípios, padrões e valores que melhor se adaptem as suas necessidades, visando à qualidade de vida individual e coletiva.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
STUMER, J.S. Reeducação alimentar na família: da gestação adolescência. Editora vozes. Petrópolis, 2004.
SCILING, M.Qualidade em Nutrição: Métodos de melhorias contínuas ao alcance do individuo e coletividades.Livraria Varela.São Paulo,2008.

0 comentários:

ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

ARQUIVO