Pular para o conteúdo principal

Suplementos Alimentares: devo ingerir?

http://nutricao-nutri.blogspot.com
Suplementos alimentares ou nutricionais são, em geral, substâncias encontradas naturalmente nos alimentos que foram isoladas no intuito de otimizar seus efeitos. Dentre eles, os mais conhecidos são os aminoácidos, carboidratos, vitaminas e sais minerais. São utilizados por pessoas com deficiências nutricionais decorrentes de doenças (anemias, verminoses), fases que requerem maiores quantidades de um nutriente (gravidez, envelhecimento) ou por praticantes de atividade física, melhorando seu desempenho e atuando nas reposições das perdas decorrentes dessas atividades.
Atualmente, os maiores consumidores destes suplementos são os freqüentadores de academias e atletas. Muitos suplementos aumentam a eficiência dos exercícios, favorecem o ganho de massa muscular e perda de gordura e beneficiam quase todas as funções orgânicas possibilitando melhores resultados. A maioria dos suplementos exerce suas funções muito bem se ingeridos com orientação de profissional qualificado. Quando consumidos em excesso, ao invés de auxiliar o ganho de músculos, podem aumentar a massa de gordura, devido ao consumo de calorias além do necessário (ou seja, apenas quem treina deve utilizá-los). Em longo prazo, podem ocasionar complicações nos rins e no fígado. Em pessoas que já possuem alguma doença podem agravá-la. Por isso é tão importante o acompanhamento nutricional, caso a intenção seja otimizar os efeitos dos exercícios.
Alguns tipos de suplementos e suas ações no organismo são apresentados abaixo:
Isotônicos: Garantem energia para atividades aeróbicas e anaeróbicas antes do treino e servem, também, para reposição. Constituídos de carboidratos e sais minerais, eles hidratam e são absorvidos rapidamente.
Repositores energéticos: Também muito comuns, têm uma concentração maior de carboidratos. Ótimos para depois do treino, mas são indicados para atividades mais longas como enduros, ou seja, para os verdadeiros atletas.
Aminoácidos: São parte da proteína e, geralmente, utilizados com a promessa de estímulo do crescimento muscular ou para evitar a degradação do músculo. Existem indicações de que estes aminoácidos poderiam influenciar a absorção de outros aminoácidos, causar falha renal e lesões teciduais. A suplementação por longos períodos com aminoácidos não tem qualquer benefício comprovado sobre o rendimento, podendo ainda induzir um quadro de resistência à insulina. Não há, portanto evidências apontando o uso de aminoácidos como sendo benéfico para o atleta ou para o seu rendimento.
Alimentos protéicos: Compostos de proteínas de alto valor biológico (que são melhores absorvidas e utilizadas pelo corpo) são úteis para complementar a dieta, inserindo proteína, principalmente, nos intervalos das refeições. São usados em lanches, quando as outras opções disponíveis são sempre ricas em carboidratos ou gorduras, como as carnes, queijos e derivados. Se o indivíduo ingere boa quantidade de proteína, não precisa deste tipo de suplemento. A vantagem é que adiciona proteína, com baixo teor de gordura.
Alimentos compensadores: São suplementos que possuem um valor energético alto (hipercalóricos). Esses suplementos são compostos por carboidratos e aminoácidos essenciais, ou seja, aminoácidos que não produzimos no nosso organismo. Deve ser ingerido com bastante cautela, pois são indicados para atletas que treinam várias horas todos os dias (atletas de maratonas, triatlo e enduros em geral que consomem grandes quantidades de energia).
Suplementos termogênicos: Ajudam no aumento do metabolismo. Contribuem na perda de peso e gordura corporal.
Suplementos antioxidantes: Ajudam na eliminação de radicais livres do organismo que são gerados em excesso quando praticamos atividades físicas. Radicais livres aceleram o envelhecimento e são precursores de diversas doenças como o câncer.
Suplementos hormonais: Estimulam a produção ou fornecem hormônios para o organismo. Estes suplementos são encontrados com facilidade em academias atualmente, apesar das normas que proíbem sua comercialização não autorizada. Devem ser tomados sempre com orientação médica.
Polivitamínicos e poliminerais: repõem deficiências de micronutrientes e também devem ser tomados apenas sob orientação médica.

Por isso, na hora de ingerir suplementos, é preciso muita cautela e sempre com a orientação do médico ou do nutricionista.

Na próxima semana, vamos falar da Creatina, Carnitina e Glutamina.

Abraços a todos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …