Pular para o conteúdo principal

Leite é para humanos?

Por Dr Ana Paula Fidélis Atualmente a questão do leite está sendo bastante discutida e inúmeros artigos científicos apontam relatos positivos e negativos com o consumo de leite. Na Europa e EUA isto já vem sendo documentado e reportado há muito tempo.

Em estudos já se sabe que as sociedades primitivas não tinham introdução do leite de vaca após o aleitamento materno e que esta prática começou há 6 mil anos atrás. As inúmeras revoluções na alimentação foram feitas de ordem bastante rápida e o homem ainda não conseguiu se adaptar a isto tudo.

Nosso genoma que é responsável pelas nossas características e situações metabolicas entre outros, se adapta de acordo com o meio ambiente. Como as alterações nos padrões alimentares e meio ambiente foram acontecendo rapidamente algumas pessoas ainda não conseguiram acompanhar este processo e outras já conseguiram. O homem ainda está adaptado para o estilo de vida caçador-recoletor. Ou seja, este padrão de vida sedentário, com alimentos prontos, industrializados, cheios de conservantes, agrotóxicos, gorduras e alimentos alterados ainda não foi reconhecido pelo nosso genoma. 

O caso do leite é aplicável a este fenômeno. A maioria da população não está preparada fisiologicamente para o leite de vaca. Muitos não conseguem produzir a quantidade de lactase, enzima que digere o carboidrato da lactose do leite e tem uma série de alterações metabólicas e de sinais e sintomas. Outro fator é que inúmeras pessoas também são intolerantes a proteína do leite levando a mecanismos como a inflamação crônica (responsável por inúmeras doenças e inclusive alterações de peso), hiperpermeabilidade intestinal, disbiose, diminuição da destoxificação no fígado dentre outros.

Outro fator importante é que esta adaptação do genoma também é aliado a individualidade bioquímica. Cada ser é único, com necessidades especiais, adaptações individuais e por isso não é tudo que é aplicável para todos. O fato do leite de vaca é um exemplo disto. Sabe-se por milhões de estudos os inúmeros efeitos do consumo do leite de vaca mas existem pessoas que são adaptadas a ele e não tem nenhuma alteração maléfica.

O leite de vaca não é o mesmo de anos atrás. A indústria conseguiu piorar muito a qualidade nutricional do leite por adição de hormônios nas vacas, conservantes e sua acidez aumentou muito. O que é pesquisado também e que tem bastante relato científico é que o cálcio do leite não é absorvido pelo nosso corpo. Este fato se deve a questão de quantidade não equivalente para a absorção de magnésio e por isso há uma competição entre cálcio e magnésio, o pH do leite prejudica esta absorção e os hormônios e antibióticos como a tetraciclina também, concentrações inadequadas de vitamina K. Já se tem muito reportado que o leite de vaca não resolve a osteoporose. Mas este assunto é para ser abordado em outro artigo.

Agora veja aqui alguns sintomas e sinais de intolerância ao leite: 

- Aparecimento de acne;
- Aumento da pressão arterial;
- Aumento na insulinemia;
- Aumento na incidência de câncer;
- Artrtite reumatóide;
- Esclerose múltipla;
- Doença de Crohn
- Intolerância a lactose ( os sintomas são: flatulência, caimbras intestinais, diarréia, inchaço abdominal, náuseas, vômitos, dor abdominal)
- Aumento no peso;
- Aumento do colesterol total e LDL;
- Caspa;
- Asma, bronquites e outras doenças respiratórias;
- Celulites.

O dado aqui mais importante que tem que ser salientado é que existem inúmeros estudos que também comprovam os efeitos positivos do leite mas é importante saber que cada organismo reage de uma forma e que a maioria dos estudos apontam que as pessoas tem intolerância seja a proteína do leite ou a lactose. O que é interessante ser feito é uma consulta com um nutricionista funcional que está capacitada a verificar por aplicações de questionários de sinais e sintomas além de exames bioquímicos se o paciente tem esta intolerância ou não.

Comentários

Cris disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Sempre leio sobre isso. E parece que esse conflito nunca vai parar. Nunca recebemos uma resposta realmente clara e precisa. Acho que o critério deve ser o seu próprio bem-estar. Beba leite e veja como se sente.
Anônimo disse…
Faltam apenas dados concretos, números mostram resultado, esse texto tem nexo, mas naum tem persuasão.
O leite assim como todos os alimentos reagem de diferentes formas em cada indivíduo. Foi colocada a importância da individualidade bioquímica e se o leite faz mal para maioria das pessoas não quer dizer que para outra vá fazer. Para isso é preciso sempre consultar um profissional especialista que saiba distinguir isto.

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …