Ortorexia Nervosa DIETA


Reflexões sobre um novo conceito

POR Dra. Fabiana Neumann - Nutricionista RS

Os Transtornos Alimentares (TA) são graves distúrbios psiquiátricos considerados importantes problemas de saúde. Os quadros clássicos têm seus critérios diagnósticos definidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) ou Associação Americana de Psiquiatria (APA), enquanto outros quadros considerados não oficiais têm sido sugeridos nos últimos anos, denominados muitas vezes de comer transtornada (do inglês, disordered eating).

Um artigo publicado por Maria Martins e colaboradores na Revista de Nutrição em abril deste ano, faz novas reflexões sobre a Ortorexia Nervosa (ON), um comportamento obsessivo patológico, caracterizado pela fixação por saúde alimentar, qualidade dos alimentos e pureza da dieta. O termo ortorexia nervosa foi criado por Steven Bratman, médico americano, que sugeriu esse quadro ou condição como um novo comportamento alimentar transtornado.
Os indivíduos com comportamento ortoréxico se caracterizam por ingerir alimentos que contribuam para o bom funcionamento do organismo e "libertem o corpo e a mente de impurezas" a fim de alcançarem um corpo saudável e maior qualidade de vida. Na busca da "pureza alimentar", esses indivduos podem tornar-se muito seletivos em relação aos alimentos que escolhem e acabam optando por condutas alimentares cada vez mais restritivas e que podem levar à carência de determinados nutrientes, colocando em risco a própria saúde.

Segundo o artigo, o perfil dos indivíduos vulneráveis à ortorexia nervosa é caracterizado por "pessoas meticulosas, organizadas e com exacerbada necessidade de autocuidado ou proteção". Esse grupo inclui mulheres, adolescentes, pessoas adeptas de modismos alimentares e de hábitos alimentares alternativos e também atletas.

Neste trabalho, os autores também fazem uma comparação interessante entre a ortorexia nervosa e os transtornos alimentares mais clássicos. O trabalho levanta uma temática nova e pouco discutida em nutrição fazendo uma revisão dos principais artigos científicos relacionados ao tema e destaca a importância de que os profissionais de saúde estejam atentos e atualizados sobre o ato de comer e suas implicações. O conceito e a adoção de hábitos saudáveis e seguros na alimentação devem estar afastados de atitudes e práticas obsessivas e perfeccionistas, ainda que elas sejam motivadas por um desejo de alcançar a pureza da dieta a qualquer custo, diz a autora.

A prevalência da ortorexia nervosa ainda é desconhecida. As pesquisas disponíveis até o momento foram realizadas em lugares muito diversos (Alemanha, Áustria, Itália, Suécia e Turquia), em amostras pequenas e específicas, de modo que a tradução para nossa realidade deve ser feita de forma muito cuidadosa.


0 comentários:

ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

ARQUIVO