Pular para o conteúdo principal

Dieta para quem mora sozinho


 

por Dra. Eloísa Gabriela Penteado


Atualmente, morar sozinho passou a ser uma alternativa cada vez mais comum, e associada a esta opção a má alimentação é um dos fatores predominantes. Utilizando argumentos como pouco tempo, falta de praticidade e prática na cozinha, achar que não vale a pena cozinhar só pra si a alimentação mais saudável fica cada vez mais distante deste grupo.
De acordo com algumas pesquisas os que moram sozinhos compram maior número de alimentos quando comparados a casais com filhos, mas também são aqueles que desperdiçam mais, sendo pela falta de organização na hora das compras ou acabar sempre optando por delivery, restaurantes e comidas rápidas. A alimentação acaba sendo monótona e incluindo normalmente pães, embutidos, bolachas, salgadinhos e todo o tipo de guloseimas.
            A indústria percebendo esta tendência invade as prateleiras dos supermercados com alimentos e embalagens reduzidas, pratos congelados, saladas já higienizadas, empresas com serviço de entrega de alimentação balanceada, facilitando muito a vida destes consumidores. Infelizmente estas opções ainda saem mais caras, mas compensam pela praticidade, comodidade e diminuição do desperdício.
            Com as facilidades que a indústria oferece e com um bom planejamento é possível morar sozinho, continuar se alimentando com praticidade e com alimentos saudáveis. A abaixo estão listadas algumas dicas para auxiliar nessa tarefa:

Organização é fundamental. Elabore um cardápio semanal programando o que irá comer nas refeições. Verifique o que já tem na despensa, aproveitando os alimentos que se tem e comprar apenas o que for realmente necessário. Dessa forma, se consegue equilibrar a alimentação e controlar a quantidade de comida comprada e ingerida ao longo da semana.

Apenas o necessário. Limite-se ao que é necessário, evite as guloseimas (doces em geral) e aperitivos (salgadinhos de pacote, pipoca de microondas, etc.), se você não os tiver na sua dispensa será muito mais fácil evita-los.

Em dobro. Sempre que for preparar um tipo de alimento, faça-o em quantidade dobrada para poder congelar e ser utilizado numa outra ocasião. Isso facilita a vida e otimiza o tempo. Sendo ideal já congelar os alimentos em porções que são suficientes para uma refeição, evitando assim o desperdício e favorece o balanceamento das refeições. Para um descongelamento correto dos alimentos o ideal é retirar o alimento do congelador e deixá-lo na geladeira por tempo de 12 a 24 h de antecedência do uso.

Fibras no prato. Ao elaborar seu cardápio, pense em opções práticas e leves como saladas, frutas e produtos integrais, que são ricas em fibras, nutrientes aliados da saciedade.

Salada no prato. Estabeleça uma salada para a semana, principalmente com itens que garantam a possibilidade de maior validade ou duração. Lave um tipo de folha como alface ou rúcula, seque bem e guarde na geladeira em um pote bem fechado, assim a sua duração é maior.

Fruta. Escolha uma fruta da estação em estágios diferentes de amadurecimento para que possa ser utilizada durante toda a semana em vários tipos de preparações. Se não tiver a versão in natura das frutas, as frutas desidratadas ou as polpas congeladas são excelentes opções para substituição.

Hora do lanche. Iogurtes e barras de cereais podem ser boas pedidas para se ter em casa, principalmente para quando surgir aquela vontade de comer um doce, ou mesmo para os lanches intermediários.

Sanduíche no jantar. Os sanduíches podem ser consumidos no jantar, desde tenha os ingredientes adequados. O pão de preferência deve ser integral, é importante que tenha uma fonte de proteína (frango desfiado, carne fatiada, atum, peito deperu, e queijos brancos) e sempre tenha hortaliças.

Microondas. O plástico aquecido no microondas libera toxinas ao alimento que são maléficas ao organismo, neste caso o ideal se usar sempre recipientes de vidro.

Substitua. Substitua a maionese e a manteiga pelo cream chesse, requeijão cremoso light, azeite ou óleo de coco.

Ajustar a vida corrida do dia a dia a uma dieta balanceada é uma tarefa árdua, é preciso ter criatividade, planejamento e muita disciplina para não extrapolar no consumo dos alimentos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …