Pular para o conteúdo principal

Alimentos Funcionais

Por Priscila Marques


http://marianadib.com.br
Durante muitos anos, a primeira preocupação quando falávamos em dieta estava em atender as recomendações diárias de nutrientes. Porém,  esta concepção vem se alterando devido à crescentes pesquisas que demonstram a existência de  alimentos que oferecem benefícios além do suprimento básico nutricional.
O conceito de alimento funcional iniciou-se no Japão, na década de 80 quando sentiu a necessidade de melhorar qualidade de vida da população, com o intuito de aumentar a expectativa de vida e reduzir custos com cuidados de saúde. Para isso, alimentos que cuidavam especificamente de promover a saúde e reduzir riscos de doenças começaram a ser desenvolvidos e estudados.
Os FOSHU (Food for Specified Health Use), definido como “alimento convencional, que, baseando-se no conhecimento da relação entre alimentos e seus componentes e saúde, apresente benefícios de saúde, e ao qual foi permitido apresentar uma declaração do efeito que se espera obter com o consumo diário.” tinham como principais grupos de compostos incluídos: fibras alimentares, oligossacarídeos, polióis, ácidos graxos polinsaturados, peptídeos e proteínas, glicosídeos, isoprenóides e vitaminas, álcoois e fenóis, colina, bactérias do ácido lático, minerais e outros.
No Brasil, somente em 1999 houve uma definição para os alimentos funcionais. A Portaria nº 398 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde definiu os alimentos funcionais como “todo aquele alimento ou ingrediente que, além das funções nutricionais básicas, quando consumidos na dieta usual, produz efeitos metabólicos e/ou fisiológicos benéficos à saúde, devendo ser seguro para o consumo, sem supervisão médica.”
Dessa forma, a propriedade funcional dos alimentos relaciona-se mais à nutrição que à farmacologia.
 São permitidos dois tipos de alegações na rotulagem de alimentos no Brasil: ALEGAÇÃO DE PROPRIEDADE FUNCIONAL: relativa ao papel metabólico ou fisiológico que o nutriente ou não nutriente tem no crescimento, desenvolvimento, manutenção e outras funções normais do organismo humano;
ALEGAÇÃO DE PROPRIEDADE DE SAÚDE: afirma, sugere ou implica a existência de relação entre o alimento ou ingrediente com doença ou condição relacionada à saúde.
Estas declarações de rotulagens podem se referir às substâncias bioativas desde que precedido da prévia aprovação e comprovação científica, principalmente porque muitas vezes as crenças populares encontram-se com a ciência da nutrição, apesar de existirem estudos recentes comprovando que algumas lendas sobre os alimentos não passam de crendices sem qualquer respaldo na ciência.
Independentemente da comprovação científica do alimento dito como funcional, é sempre importante lembrar que excessos nunca devem ser cometidos! 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …