Pular para o conteúdo principal

Hipertrofia Muscular




A aparência corporal tem se tornado um viés de grande importância aos seres humanos. Nas últimas décadas homens e mulheres têm dedicado mais atenção, tempo e recursos financeiros a seus corpos. A frequência nas academias, o seguimento de dietas, a busca por fármacos, suplementos e até mesmo a realização de cirurgias, são os meios que apresentam maiores busca populacionais, afim de que as pessoas encontrem satisfação frente a seu físico (Chaves; Orleans, 2009).
Todas as pessoas conseguem aumentar o volume muscular com o treinamento resistido, embora alguns tenham mais dificuldades do que outros. Assim, o uso de protocolos adequados de treinamento de força e a predisposição genética do praticante (variabilidade biológica) irão facilitar o ganho de hipertrofia muscular. Os exercícios com pesos desenvolvem importantes qualidades de aptidão, como força e potência. Assim, para um treinamento adequado, a genética favorável e a boa alimentação são os aspectos fundamentais para um bom desenvolvimento muscular (Uchida e Colaboradores, 2006).

HIPERTROFIA MUSCULAR X TREINO
A hipertrofia muscular é denominada pelo aumento na tensão muscular (força) decorrente de treinamento com exercícios e proporciona o estímulo primário para dar início ao crescimento do músculo esquelético (McArdle; Katch; Katch, 2003). Definido pelo aumento do tamanho da fibra muscular em resposta ao treinamento com cargas elevadas, podendo ser temporária ou crônica. Tal fato ocorre porque o corpo tem que se recuperar do estresse sofrido aumentando o tamanho para suportar mais peso (Henrique; Ceola; Tumelero, 2008).

ENERGIA
Os atletas necessitam de uma alimentação diferenciada sendo que seu gasto energético pode ser até quatro vezes maior que de um indivíduo sedentário ou moderadamente ativo (Tirapegui; Mendes, 2005).
O consumo alimentar insuficiente em termos de energia, pode levar o organismo a situações de estresse que prejudicam de forma importante o desempenho da atividade física como fadiga crônica, disfunções do sistema endócrino, maior suscetibilidade a doenças infecciosas e baixa imunidade, lesões músculo esqueléticas e articulares, perda de massa muscular, osteopenia (Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte, 2009).

Na semana que vem acompanhe no site a continuação desta matéria:

O que ingerir antes, durante a após o exercício físico?

Para acompanhar o site e receber as matérias atualizadas:


Cadastre seu email:


Delivered by FeedBurner

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …