Alimentação Complementar: Como e Quando iniciar

Dra Larissa Rogoski – Nutricionista SP

A alimentação da criança repercute sua saúde na fase adulta. Sabe-se que a prática do aleitamento materno é extremamente importante e que o leite da mãe é capaz de nutrir a criança de forma completa e adequada até o sexto mês de vida.

A partir desta idade, a alimentação do bebê deve ser complementada, prevenindo assim morbimortalidade, desnutrição ou até obesidade.

A chamada alimentação complementar consiste na inclusão de outros alimentos ou líquidos além do leite materno. É essencial esclarecer que introduzir novos alimentos na dieta do bebê não significa interromper o aleitamento materno. Muito pelo contrário, o aleitamento é indicado até os 02 anos de idade. Há comprovações científicas de que, crianças amamentadas com leite materno adoecem menos de diarréia e não apresentam atrasos no desenvolvimento.

A introdução adequada da alimentação complementar envolve o fornecimento de alimentos ricos em energia e micronutrientes como vitamina C e A, cálcio, ferro e zinco. Os alimentos devem ser manuseados e preparados em ambientes limpos e livres de contaminação por produtos químicos ou microorganismos patogênicos. A inclusão de sal e condimentos deve ser evitada.

Quando iniciar?

Iniciar aos seis meses em casos de aleitamento materno exclusivo, e aos quatro meses quando há o consumo de fórmulas lácteas. É necessário atenção para o momento certo de introdução, pois a complementação precoce ou tardia pode trazer prejuízos à saúde.

Como iniciar?

Segue abaixo, um passo a passo para a alimentação complementar:

06 meses:

Comece oferecendo alimentos em consistência líquida e pastosa, sem pedaços. Introduza os alimentos um a um, para que a criança conheça o sabor de cada alimento. Observe a aceitação e ocorrência de episódios de diarréia ou alergia. Nesta fase inicial a alimentação complementar é composta por sucos de frutas naturais e papinhas de frutas sem adição de açúcar. A oferta deve ocorrer duas vezes ao dia. A quantidade varia conforme aceitação da criança.

07 a 08 meses

Nesta fase, ocorre a introdução das papas salgadas, que devem ser compostas por carne (bovina, frango, peixe), hortaliças (verduras e legumes), cereias (ex: arroz), tubérculos (ex: batata) e leguminosas (ex:feijão). Ofereça os alimentos separadamente, observando a aceitação. Caso a criança rejeite determinado alimento, tente novamente em outra ocasião e repita a oferta outras vezes. Inclua alimentos em pedaços pequenos ou desfiados, estimulando a mastigação. Intercalar a oferta de papinha salgada e doce, em diferentes horários (Ex: período da manhã - suco ou papinha de frutas/ almoço e jantar- papa salgada). Complemente com amamentação quando houver baixa aceitação.

09 a 11 meses: Gradativamente, oferecer o cardápio da família. Sempre que possível é importante oferecer uma alimentação diversificada.

Um ano: cardápio da família.

Lembrete: No primeiro ano de vida, alguns alimentos como o mel e o leite de vaca não devem ser oferecidos à criança, pois podem ocasionar alergia ou maiores complicações.

Referências:

Monte, CMG, Giugliani, ERJ. Recomendações para alimentação

complementar da criança em aleitamento materno. J Pediatr. v. 80, n. 5, p. 131-141, 2004.

Ministério da Saúde. Secretaria de Política de Saúde. Organização

Pan Americana de Saúde: Guia Alimentar para crianças menores de

2 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

0 comentários:

ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

ARQUIVO