Pular para o conteúdo principal

Nutrição no Atletismo

Dra. Deise Dantas Barcellos – Nutricionista RJ

O atletismo acompanha o homem desde os primórdios, incluindo-se os desafios esportivos.

Trata-se de uma modalidade de base, pois sua prática reflete os movimentos essenciais do ser humano nas seguintes especialidades: caminhar, correr, saltar e arremessar. Hoje em dia o atletismo é dividido em modalidades de provas de pista e campo, corridas de rua, cross-country, e marcha atlética.

O mais antigo registro de competições de atletismo data de 776 a.C., mas é certo que provas de pista e campo foram praticadas muitos séculos antes. Já nas primitivas civilizações o homem cultivava o gosto de competir, medindo sua força, rapidez e habilidade. Os exercícios destinados a aprimorar ou manter a saúde do corpo decorriam da própria luta pela sobrevivência.

Obrigados a enfrentar inúmeros obstáculos naturais e, mais tarde, o seu semelhante, o homem apurou seus instintos de correr, saltar e lançar. Com as guerras criaram-se os exércitos. O uso de paus e pedras, como armas, deu lugar ao de lançar, dardos e espadas. Posteriormente, os jogos olímpicos ajudaram a popularizar o atletismo, universalizando-o cada vez mais.

As necessidades de energia e nutrientes de um atleta são diretamente proporcionais ao tipo de atividade, intensidade e duração do treinamento. Fatores como peso, altura, sexo, idade e metabolismo também influenciam. A alimentação diária de atletas deve fornecer de 30 a 50 kcal/kg/dia para contrabalançar o alto gasto energético e repor as reservas de glicogênio muscular.

Quanto maior a intensidade e/ou tempo de duração do treino ou competição, maior será a participação dos carboidratos, mesmo que a gordura seja utilizada pelo tempo que durar a atividade e a proteína colabore na manutenção da glicose sanguínea. Exercícios muito intensos, com duração de 1 hora, podem reduzir o glicogênio do fígado em cerca de 55%. Desta maneira, a fase mais propicia para a síntese de glicogênio é a que corresponde às primeiras horas imediatamente seguintes aos exercícios intensos. É nessa fase que uma dieta com alto teor de carboidrato restabelece de forma eficaz as reservas de glicogênio dos músculos e do fígado.

De acordo com a Diretriz da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte, 2003, para provas longas, os atletas devem consumir entre 7 e 8g de carboidrato por Kg de peso, ou de 30 a 60 gramas do mesmo, para cada hora de exercício, o que evita hipoglicemia, depleção de glicogênio e atrasa a fadiga.

As necessidades protéicas do atleta aumentam devido ao reparo de lesões induzidas pelo exercício nas fibras musculares. A ingestão de 1,2 a 1,8g de proteína por Kg de peso/dia é a mais recomendada para atletas, e a de lipídeos não deve exceder 30% do valor energético total da dieta.

É recomendado que o atleta nunca treine em jejum, ou com o intervalo maior que 4 horas entre a última refeição e o treino.

O estresse do exercício é acentuado pela desidratação, que aumenta a temperatura corporal, prejudica as respostas fisiológicas e o desempenho físico e produz riscos para a saúde. A hidratação deverá ocorrer aos poucos e por todo o dia, e as bebidas esportivas são indicadas durante e após treinos e competições para repor as perdas de sais minerais e líquidos. O esvaziamento gástrico é facilitado com a ingestão de líquidos com baixo teor calórico, e uma concentração de 6 a 8% de carboidrato é o ideal. Recomenda-se que o atleta beba de 250 a 500 ml de água duas horas antes do exercício. Durante o exercício é ideal iniciar a ingestão já nos primeiros 15 minutos e continuar bebendo a cada 15 a 20 minutos.

REFERÊNCIAS

- BURKE, Luise; DEAKIN, Vick. Clinical Sports Nutrition.2º editora: MCgrall hill Company, Austrália, 2000.

- HAWLEY, John; HARGREAVES, Mark. Sports Performance. Editora:Macgrall Hill Austrália 2003.

- SOCIEDADE Brasileira de Medicina Esportiva. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ações ergogênicas e potenciais riscos para a saúde. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva. v.9, n.2, mar – abr 2003.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …