Pular para o conteúdo principal

Dieta Vegetariana orientação de Nutricionista

Tipos de dietas vegetarianas

Ovolactovegetarianos - Consomem ovos, leite e derivados. É a forma mais comum de vegetarianismo no ocidente; 

Lactovegetarianos - Consomem leite e derivados. Não consomem ovos. Geralmente relacionados com filosofias indianas; 

Veganos - Não consomem nenhum produto de origem animal, inclusive ovos, leite e derivados, gelatina e mel. Abstêm-se do consumo de lã, couro e produtos testados em animais; Grupos religiosos no oriente e filosóficos do ocidente;

Crudívoros: Somente consomem alimentos crus de origem vegetal; 

Semi-vegetarianos: Consumo esporádico de carne, peixe ou frango;

Pessoas que incluem carnes em sua alimentação são chamadas de onívoras. 

Outros segmentos:

Crudívoro: o crudivorismo admite apenas a ingestão de alimentos crus ou aquecidos no máximo a 42ºC. Alguns podem aceitar leite cru e carne crua também. A utilização de alimentos em processo de germinação (cereais integrais, leguminosas e olegainosas) é comum nessa dieta.

Frugívoro (ou frutívoro ou frutariano): sistema alimentar que admite apenas o consumo de fruas na alimentação. O conceito de "frutos", nesse caso, segue a definição botânica, que inclui os cereais, alguns legumes (abobrinha, beringela...), oleaginosas e as frutas.

Freegano - o freegano come aquilo que encontra no lixo. Apesar de os freeganos serem mais radicais que os veganos ao se recusarem a comprar qualquer tipo de alimento, eles também são mais flexíveis, já que não têm objeções éticas a comer produtos animais que foram jogados fora. Eles querem evitar dar dinheiro àqueles que exploram os animais. Uma vez que um produto foi descartado, não faz diferença para o produtor se o alimento é consumido ou incinerado.

Macrobiótico: O macrobiótico tem um tipo de alimentação específica, podendo ou não ser vegetariana, que baseia-se em cereais integrais, com um sistema filosófico de vida bastante peculiar e caracterizado. A dieta macrobiótica apresenta indicações específicas quanto à proporção dos grupos alimentares a serem utilizados. Essas proporções seguem diversos níveis, podendo ou não incluir as carnes (geralmente brancas). A macrobiótica não recomenda o uso de leite, laticínios ou ovos.

Pessoas que incluem carnes em sua alimentação são chamadas de onívoras. 

Os estudos mostram que o alto consumo de carnes:
Aumenta a incidência de câncer de endométrio, pulmão, intestino grosso, próstata, além de doenças cardiovasculares de diabetes (Bastid et al, 2011; DeStefani et al, 2010; Van Lonkhuijzen et al, 2011).
POF (2009): ingestão satisfatória de proteínas, mas a ingestão excessiva de gorduras saturadas está em 82% dos brasileiros.
O consumo insuficiente de fibras foi observado em 68% dos brasileiros (Ministério da Saúde, 2010).

BENEFÍCIOS DA DIETA VEGETARIANA
Maior consumo de:
•Frutas, verduras e cereais integrais.
Melhores níveis de:
•Vitamina C
•Vitamina E
•Ácido fólico
•Antioxidantes
•Fibras
•Potássio
•Magnésio

Menor consumo de:
• Calorias (DAVEY et al, 2003)
• Gorduras saturadas
• Colesterol

Melhores níveis de:
• Colesterol total
• LDL
• Triglicerídeos (De BIASI et al, 2007)
• Risco de apresentar diabetes é 50% menor
• Probabilidade de pedras na vesícula em mulheres vegetarianas é 2 x menor
• incidência de obesidade
• O consumo de carne está associado a um risco 88% maior de desenvolvimento de câncer de cólon e 54% próstata
• Pressão arterial elevada
• de 50% do risco de diverticulite ADA Reports. Position of the ADA: vegetarian diets. v.103, n.3, jun 2003.
Os benefícios vêm sendo comprovados por diversos estudos e, entre eles estão também à melhora do desempenho nos esportes até a prevenção e tratamento de diversas doenças.

ALGUNS NUTRIENTES NA DIETA VEGETARIANA

PROTEÍNAS:
Carência protéica em vegetarianos é um mito!
•Aminoácidos essenciais: encontrados nos vegetais.
•Combinação entre cereais (metionina) e leguminosas (lisina), não necessariamente na mesma refeição.
•Recomendação: de 10 a 15% do valor energético total ingerido por dia.
•Fontes: fermentados de soja, tofu, grãos integrais, leguminosas, oleaginosas, quinoa, sementes germinadas e brotos.

FERRO
•Anemia ferropriva possui a mesma incidência em onívoros e em vegetarianos.
Atenção especial em gestantes e crianças e mulheres em idade fértil
•Ferro heme (absorção de 15 a 35%), não heme de 2 a 20%)
•Menos de 40% do ferro da carne é heme...
•Altos níveis de ferro e ferritina: formação de radicais livres - risco de câncer, doenças cardiovasculares.
Quanto menos o corpo tem, mais ele absorve (principalmente ferro não heme).
Quantidade real de ferro absorvido depende de (NAVARRO, 2010):
- Quantidade de Fe na refeição
- Estado de Fe do indivíduo
- Composição dos alimentos ingeridos
Biodisponibilidade de ferro:
Dieta vegetariana: 10%
Dieta onívora: 18%.

Alguns cuidados são necessários, consulte seu nutricionista para uma avaliação clínica e bioquímica. Para ser tornar um vegetariano, é necessário conhecer outros alimentos, novas receitas e saber quais são as fontes dos nutrientes mais importantes.
Os nutrientes que merecem maior atenção: vitamina B12, ferro, cálcio, zinco e vitamina D.
Exames devem ser feitos periodicamente, procure seu nutricionista.

Referências Bibliográficas:

POF, Pesquisa de Orçamento Familiar, 2009.
RAUMA et al. Antioxidant status in long term adherents to a strict uncooked vegan diet. Am J Clin Nutr. 1995;62:1221-7.
DAVEY et al. EPIC-Oxford: lifestyle characteristics and nutrient intakes in a cohort of 33 883 meat-eaters and 31 546 non meat-eaters in the UK. Public Health Nutr. 2003;6(3):259-69.
ADA Reports. Position of the ADA: vegetarian diets. v.103, n.3, jun 2003.
De BIASE et al. Dieta vegetariana e níveis de colesterol e triglicerídeos. Arq Bras Cardiol; 2007; 88(1) : 35-39.
NAVARRO. Vegetarianismo e ciência. Um ponto de vista médico sobre a alimentação sem carne. Alaúde: São Paulo, 2010.


POR DRA DANIELA MEDINA  - SÃO PAULO

Nutricionista graduada pela Universidade do Grande ABC, pós-graduanda em Nutrição Clínica Funcional pela VP Consultoria Nutricional/Divisão de Pesquisa e Ensino.
Atualização Profissional em Atendimento Ambulatorial em Esclerose Lateral Amiotrófica pela
Escola Paulista de Medicina (UNIFESP). Atualmente trabalha com atendimento à domicílio
(Personal diet) e assessoria em Alimentação e Nutrição.

Entre em contato para agendar sua consulta: medinautri@yahoo.com.br


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …