Pular para o conteúdo principal

Alimentos seguros


por Dra. Fabiana Neumann - Nutricionista RS

Comer bem e com segurança – o perigo está à mesa!

Um estudo realizado em nove países em 2010 mostrou que cerca de dois terços dos banheiros têm alto nível de contaminação por bactérias nos rejuntamentos (aquele espaço entre os azulejos, ou entre a parede e o chão). Apesar desse dado, outros estudos revelaram que o banheiro não é o ambiente mais sujo, mas é na cozinha que estão as superfícies mais contaminadas. Afinal, onde está o maior perigo?

Os restaurantes self-service – do tipo que vende comida por quilo, são uma opção rápida e econômica para o bolso e o paladar dos consumidores. Embora seja o local preferido de quem tem fome e pressa, ele pode representar um sério risco para a sua saúde. É comum que nos restaurantes, bares, lanchonetes e padarias a comida fique mais tempo exposta às bactérias aumentando as chances de contaminação.

A lei determina que qualquer cliente tem o direito de visitar a cozinha do estabelecimento para avaliar as condições de higiene do local, no entanto poucos sabem disso. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou, desde 16 de setembro de 2004, a RDC 216, estabelecendo prazo de 180 dias para que os restaurantes, lanchonetes, bares, bufês e cozinhas institucionais  aderissem ao novo regulamento que inclui a capacitação de funcionários  e o manual de boas práticas de higiene com a produção de alimentos nos seus estabelecimentos.

No entanto, como várias outras leis no nosso país, essa também não é respeitada. Uma minoria de estabelecimentos está adequado às novas regras de saúde que inclui questões como:

  • Manutenção e higiene das instalações, dos equipamentos e dos utensilios
  • Controle da água de abastecimento
  • Controle de vetores transmissores de doenças e de pragas urbanas
  • Treinamento e capacitação dos funcionários
  • Supervisão da higiene dos manipuladores de alimentos
  • Manejo correto do lixo
  • Garantia da qualidade dos alimentos preparados

No entanto, penso que é o consumidor quem deve começar a observar os estabelecimentos e fazer valer as regras de saúde. E vale começar a prestar atenção para o aspecto dos funcionários e as condições de higiene dos banheiros e do estabelecimentos como um todo. “A higiene pessoal reflete muito sobre o cuidado com os alimentos”.

Uma “olhadinha” nas dependências do restaurante, do bar ou da padaria pode tirar completamente o apetite e revelar a falta de cuidados com a higiene dos alimentos. É preciso dar mais atenção a insegurança alimentar e nutricional dos alimentos ofertados em alguns estabelecimentos. Precisamos ficar mais atentos à nossa saúde!

Referencias: Portarias nº. 1428/93, nº. 326/97, nº. 368/97, Portaria CVS nº. 6/99 e nas Resolução da Direção Colegiada RDC nº. 275/2002 e nº. 216/2004.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …