Pular para o conteúdo principal

Dieta Disfagia Idosos


Disfagia – um risco de desnutrição em idosos

por Dra. Fabiana Neumann - Nutricionista RS


A disfagia é a incapacidade que mais afeta o paciente neurológico e idoso, onde estados depressivos ou de ansiedade podem provocar inapetência ou rejeição de alimentos, levando também à desnutrição e perda de peso neste grupo vulnerável, tornando-o mais suscetível ao risco de desenvolver doenças decorrentes do estado nutricional deficiente. Entre estes fatores adicionais de risco estão úlceras por pressão, aumento da suscetibilidade às infecções e funções físicas e mentais diminuídas.
Sem duvida, a desnutrição e a disfagia em idosos são frequentes e erroneamente ignoradas, sendo associadas ao processo da senescência, postergando intervenções. Dessa forma, a avaliação nutricional e de disfagia são fundamentais na avaliação geriátrica. Diversos fatores são considerados sinais de risco para desnutrição e assim, para atender a necessidade da identificação de risco nutricional em idosos e sua complexidade de forma simples e aplicável, Guigoz et al. publicaram a Miniavaliação Nutricional (MNA®) - um questionário composto por 18 questões, subdividido em quatro domínios: antropometria, dietética, avaliação global e autoavaliação. A detecção do risco de disfagia é multiprofissional e pode ter como pilar a identificação de alguns componentes, como: doença de base, antecedentes e comorbidades; sinais clínicos de aspiração; complicações pulmonares e funcionalidade da alimentação.

As complicações da disfagia, especialmente a pneumonia aspirativa estão associadas com o aumento da mortalidade. Mortes relacionadas diretamente com a disfagia refletem de 12 a 13% de todas as mortes hospitalares nos EUA. Mais de 60% das mortes com cuidados de saúde prolongados nos EUA estão relacionadas à disfagia. Residentes de clínicas geriátricas nos EUA com disfagia e aspiração apresentam taxa de mortalidade de 45%. A identificação precoce e suporte nutricional agressivo são recomendados para pacientes idosos com risco de desnutrição.

Recomendações atuais da Sociedade Européia de Nutrição Parenteral e Enteral (ESPEN) e da Americana (ASPEN), são unânimes em recomendar o uso de suplementos nutricionais orais (SNO) para aqueles em risco nutricional, bem como os guidelines da American Medical Directors Association (AMDA) que recomendam o uso de SNO hipercalórico (2 kcal/ml) 4 vezes ao dia e aproximadamente 1 hora antes das refeições para não reduzir o consumo de alimentos.

 É necessário entender também a importância da textura dos alimentos para a elaboração das dietas para disfagia, uma vez que ela influencia na aceitação e deglutição. A National Dysphagia Diet (NDD), instituiu as propriedades reológicas dos alimentos, reconhecendo e identificando a viscosidade e consistência dos alimentos de maior significância terapêutica para pacientes com disfagia.

Concluindo, a triagem nos grupos de risco para disfagia tem sido uma excelente ferramenta no diagnóstico precoce e, consequentemente, na prevenção de pneumonia aspirativa e desnutrição. Em todas as fases da disfagia, o trabalho da equipe interdisciplinar é importante, porém, é essencial que o tratamento nutricional conjugue ações para minimizar a disfagia e suas consequências nutricionais como a desidratação e desnutrição. A alimentação adequada em textura por si só não garante um aporte energético e protéico adequado a esta população de risco, sendo urgente e primordial lançar mão de alimentos específicos e/ou suplementação para correção da desnutrição.

Referência: Consenso Brasileiro de Nutrição e Disfagia em Idosos Hospitalizados, 1ª edição 2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal quais são os alimentos constipantes e laxantes?

Dra. Judith Godoy Moreira Pereira – Nutricionista MG

Alimentos laxantes indicados para quem apresenta constipação: abacate, abacaxi, abobrinha, acelga, agrião, alface, ameixa-preta e amarela, avelã, berinjela, bertalha, brócolis, compotas, castanha-do-pará, cenoura crua, cereais integrais, chicória, couve, creme de leite, embutidos, farinha de aveia, aveia em flocos, figo, fubá, frutas oleaginosas, frutas secas, geléia, gema de ovo, grão-de-bico, jaca, kiwi, laranja, lentilha, mamão, manga, morango, quiabo, tangerina, uva, vagem, inhame.
Na constipação utilizar alimentos crus e folhas nas saladas. Farelos de trigo, farelo de arroz ou outra fibra integral natural, podem ser adicionados às refeições para aumentar o aporte de fibras totais da dieta.

Alimentos constipantes indicados na diarréia: Amido de milho, batata-inglesa, banana-prata, banana-maçã, cream cracker, cará, caju, cenoura cozida, cevada, chá-preto, creme de arroz, fécula de batata, goiaba, limonada, maçã, maisena, farinha de a…

Dicas Nutricionais para Ganho de Peso em Crianças

O baixo peso apresenta risco de desenvolvimento insatisfatório, o seu crescimento e o processo de aprendizagem podem ficar prejudicados, temporariamente ou definitivamente, vai depender da gravidade e do período em que a criança permanecer com peso baixo. Por isso, é importante buscar alternativas que recuperem o estado nutricional da criança o mais rápido possível:
* Separe a refeição em um prato individual para se ter certeza do quanto à criança está realmente ingerindo; * Esteja presente junto às refeições mesmo que a criança já coma sozinha, você poderá ajudá-la se necessário; * Não apresse a criança, é necessário ter paciência e bom humor; * Alimente a criança tão logo ela demonstre fome. Se a criança esperar muito ela perde o apetite; * Não force a criança a comer, isso aumenta o estresse e diminui ainda mais o apetite. As refeições devem ser tranqüilas e felizes; * Acrescente Azeite de Oliva Extra Virgem nas refeições para aumentar o valor calórico da dieta: para crianças menores de …

Orientações Nutricionais para uma Vida Saudável

1-Mastigue bem os alimentos, comendo devagar para facilitar a digestão e saborear os alimentos;

2-Procure fazer as refeições em lugar tranqüilo, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta, como por exemplo, assistir TV;

3-Fazer em torno de 5 a 6 refeições diárias, evitando longos períodos de jejum (ficar mais do que 4 horas sem se alimentar);

4-Ingerir em torno de 3 litros de líquidos durante o dia, água, sucos, chás, pois auxilia no funcionamento do intestino, transporte dos nutrientes e excreção das substâncias tóxicas;

5-Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois dificulta a digestão, absorção e utilização dos nutrientes, o ideal é ingerir líquidos 30 min. antes ou 1 hora depois das grandes refeições (almoço e jantar);

6-Dar preferência para as preparações com menor teor de gorduras evitando assim o consumo de toucinho, bacon, torresmo, banha, margarina, manteiga e maionese. Veja a receita da Maionese de Soja, bem mais saudável!

7-Não reutilize o óleo de fritura, …